Substituições que dão força extra à dieta

couve-1

Não são apenas medidas radicais que podem ajudar na busca por um lifestyle mais saudável e dose extra de energia no dia-a-dia. Aqui algumas pequenas substituições do cardápio que podem te ajudar na perda de peso e aumentar sua disposição, tanto para dar um gás adicional nos treinos como para enfrentar a rotina diária com mais ânimo; confira todas as dicas na sequência.

– Ao invés de café, tome chá verde: o chá possui catequina, que auxilia a longo prazo na perda de peso.

– Invista no chocolate amargo (se for orgânico, melhor ainda!) ao invés de sua versão ao leite: uma barra pequena da versão amarga tem propriedades que ajudam a circulação de sangue pelo cérebro e pelo coração, além de ter bem menos açucar do que sua versão original;

– Opte pelos sucos verdes ao invés das vitaminas de frutas: o mix de folhas ajuda no rejuvenescimento do corpo e na tonificação da pele; acrescente abacate, linhaça e uma porção de frutas vermelhas para renovar a receita e se beneficiar dos efeitos extra da combinação;

– Substitua o adoçante por stevia: adoçantes artificiais com aspartame já foram vinculados com doenças de pele e até depressão; já a stevia, de origem vegetal, possui zero caloria, zero carboidrato e, de acordo com estudos, também ajuda a reduzir a pressão arterial;

Fonte: http://www.vogue.globo.com

Anúncios

Harvard retira laticínios do Prato da Dieta Saudável

Harvard retira laticínios do Prato de Dieta Saudável – Portugal Mundial

Os especialistas de nutrição e investigadores de Harvard definiram o novo guia alimentar da universidade.

A surpresa é a total ausência de lacticínios no seu novo guia para uma dieta saudável devido ao fato do alto  consumo destes alimentos ter relação com o aumento de câncer de próstata e ovários.

Os investigadores de Harvard referiram ainda que os altos níveis de gordura saturada na maioria dos lacticínios e os componentes químicos da sua produção os tornam um alimento a evitar devendo ser substituídos por  legumes verdes (nomeadamente couve, repolho, bróculos, etc), soja enriquecida e grãos de várias espécies para se obter o cálcio necessário e de qualidade.

Os nossos parabéns pela coragem de Harvard em provar que se deve aumentar o consumo de vegetais e frutas em detrimento de alimentos manipulados pelas grandes corporações que nos querem fazer acreditar que são essenciais à vida. Não se trata de propaganda vegan até porque o mesmo estudo guia de nutrição salientam a necessidade de ingestão de proteínas da carne branca e de peixe, feijão e nozes.

Trata-se de vencer a pressão dos lobbies das grandes empresas que controlam há anos o destino da saúde americana e mundial através de instituições como a USDA, mostrando-lhes o que de fato é a saúde.

Fonte: http://portugalmundial.com/2013/04/harvard-retira-laticinios-da-dieta-saudavel/

Dieta anti-inflamatória para combater a celulite

A celulite é uma inflamação, caracterizada por gordura aprisionada nos tecidos, que dificulta a renovação das células e favorece não só o surgimento dos “furinhos” na pele, mas também o excesso de peso, a flacidez e o envelhecimento precoce.

O perfeito funcionamento celular e de cada órgão ocorre apenas quando o organismo está livre de toxinas e substâncias inflamatórias e recebendo todos os nutrientes necessários para suas funções.

Encontramos exemplos de nutrientes com potencial anti-inflamatório nos seguintes alimentos:

– óleo de abacate: possui inúmeros compostos que trabalham em conjunto no combate à inflamação. Isto inclui os carotenóides, fitosteróis, ácidos graxos ômega-3 e ômega-9 e a vitamina E.

– óleos de peixe, chia e linhaça: ricos em ômega-3, ácido graxo que diminui significativamente a produção e efetividade de prostaglandinas – substâncias naturais similares a hormônios, que podem acentuar a inflamação.

– cranberry, goji berries: são ricas em flavonóides (como as antocianinas), que neutralizam a ação dos radicais livres, moléculas responsáveis por danos ao nosso organismo. Pesquisas têm mostrado que as antocianinas inibem a enzima ciclooxigenase (impedindo a síntese de prostaglandinas) de modo mais eficiente do que alguns medicamentos anti-inflamatórios. Melhor ainda: sem os efeitos colaterais indesejáveis!

– suco de uva integral: a atividade anti-inflamatória desse alimentos fica por conta do resveratrol. Além disso, os antioxidantes fenólicos relaxam os vasos sanguíneos, favorecendo a circulação e auxiliando na prevenção da celulite.

– romã: o ácido elágico presente na fruta possui excelente atividade anti-inflamatória, prevenindo contra as alterações celulares causadas pelos radicais livres.

– gengibre: o gingerol, principal composto bioativo deste alimento, inibe a formação de moléculas pró-inflamatórias, além de preservar as moléculas anti-inflamatórias.

– chá verde: fonte de epigalocatequina galato (EGCG), é anti-inflamatório e termogênico, favorecendo também o emagrecimento. E, ainda, o chá ajuda a hidratar o tecido, outro aspecto importante para melhorar a aparência da celulite.

– licopeno: o licopeno é o antioxidante mais potente entre os carotenoides, protegendo o organismo contra o estresse oxidativo. Ele reduz os mediadores inflamatórios, além de melhorar a circulação sanguínea.

– aveia:  É fonte de silício, mineral importante para a produção de colágeno, substância responsável pela firmeza e elasticidade da pele.

Além de incluir esses alimentos no cardápio, é fundamental a redução do consumo de produtos com alto potencial inflamatório, como os embutidos, as carnes gordas, o leite integral, os doces, os refrigerantes, os alimentos refinados, os enlatados e os produtos industrializados em geral. Esses itens também tendem a acidificar o nosso organismo. E para estar em equilíbrio e reduzir a produção de substâncias inflamatórias, o pH sanguíneo deve estar alcalino.

Fonte: http://www.mundoverde.com.br

Alimentação Infantil

Imagem

Se reeducação alimentar para adultos já é tão complicado, com as crianças é mais difícil.

Abaixo, algumas dicas para dar tudo certo na hora das refeições dos pequenos.

1. COMECE COM O QUE ELE GOSTA 

A partir de 2 ou 3 anos as recusas são mais frequentes, e o “eu não quero” vira hit nas refeições. Então, comece pelo o que seu filho mais gosta. Monte o prato, por exemplo, com cenoura ralada, arroz e frango, e ponha na mesa uma outra verdura ou legume, como a beterraba. Dali a três dias, misture à cenoura um pouco de beterraba. Progressivamente, você acrescenta um novo alimento. 

2. ESTABELEÇA UMA ROTINA 

Ter horários ajuda por muitos motivos. Evita que seu filho passe o dia todo beliscando, e pesquisas mostram que isso favorece a obesidade. Você também consegue se organizar e ter tempo de fazer determinadas refeições com ele. 

3. TENTE NOVAS COMBINAÇÕES 

Variedade é a palavra da vez. Isso significa nem servir a mesma coisa no almoço e no jantar nem fazer pratos mais elaborados. Se seu filho adora suco de banana, por que não misturar um pedaço de mamão na hora de bater? Para colorir o arroz, cozinhe-o com beterraba ou abobrinha. O filé de frango do almoço pode ser servido desfiado com milho e chuchu no jantar. 

4. DEIXE FRUTAS À MÃO 

Fique na altura do seu filho e veja se você consegue pegar as frutas que estão guardadas. Se não alcançar, ou mude a fruteira de lugar ou deixe algumas unidades em um lugar de fácil acesso. Ver todos os dias desperta o interesse. 

5. EXPLORE A CURIOSIDADE DELE 

Toda criança é um pouco curiosa e gosta de experiências. Essa é uma ótima fase para usar isso a seu favor. Combinem de comprar uma fruta nova por semana e experimentá-la de vários jeitos: suco, cortadinha ou com outra fruta.

6. CONVIDE-O PARA AJUDAR 

Chame-o para fazer compras, peça ajuda para preparar a comida e para montar uma horta. 

7. PREPARE REFEIÇÕES ESPECIAIS 

Que tal um café da manhã no quintal de casa ou no playground do prédio? Quebrar a rotina pode funcionar como um estímulo também. 

8. EXPLIQUE OS BENEFÍCIOS 

Diga claramente: laranja ajuda a não ficar gripado, banana evita dores nas pernas, mamão ajuda a ir ao banheiro, cenoura ajuda a enxergar bem, abóbora faz os cabelos ficarem brilhantes etc. 

9. Dê exemplo

Se o ele ver você comendo “o que não deve”, vai ser mais difícil fazer com que ele adquira novos hábitos. A família é o maior exemplo da criança. Não vale querer que a criança coma três tipos de frutas se a família não come nenhuma.

10. Comida não é moeda de troca!

Não pode haver negociação entre comida e brinquedo, passeio, festa…

11. Nada de televisão, tablet, videogame ou celular ligados durante as refeições

Se a criança se alimenta vendo TV ou brincando com o celular, o cérebro não registra o que está sendo ingerido, e isso é péssimo para a educação alimentar dela.

A dieta das Fibras: Essa sim funciona.

Mesmo sabendo que uma dieta pobre em fibras coloca a saúde em risco, poucas pessoas atingem a dose mínima diária de 25 gramas recomendada pelo Ministério da Saúde. Foi o que mostrou uma pesquisa recente feita pelo Instituto Lindberg International com 500 brasileiros de diferentes regiões do país.

E você, consome uma quantidade suficiente de fibras para controlar melhor a fome?

Para saber, responda estas três perguntas:

1) Você sai da mesa satisfeita, mas logo volta a sentir fome?

2) Vira e mexe seu intestino fica preguiçoso?

3) Seu organismo retém líquido com facilidade?

Se respondeu sim para alguma delas, é sinal que você precisa colocar no prato mais verduras, legumes, grãos integrais e outros alimentos ricos em fibras. Eles garantem refeições mais volumosas e menos calóricas.

As fibras ajudam você a perder peso (elas geram mais saciedade), melhoram o intestino, diminuem o colesterol, além de trazer outros benefícios à saúde. Vários estudos associam o consumo adequado dessas substâncias à redução de riscos de doenças crônicas, entre elas as cardiovasculares, diabetes e alguns tipos de câncer. Por serem encontradas em alimentos in natura (cereais, frutas, legumes e verduras), o consumo de fibras também enriquece a alimentação com fitoquímicos, componentes que também mantêm doenças e envelhecimento precoce à distância.

Interpretando rótulos – Industrializados

Você costuma ler a tabela de ingredientes no rótulo dos alimentos industrializados?

Em meio a tantos itens disfarçados de comida, há uma infinidade de substâncias químicas como aromatizantes, corantes, conservantes, estabilizantes e acidulantes que, com consumo exagerado, causam os mais diversos danos aos nossos corpos – desde obesidade, passando por câncer, até enxaquecas e Alzheimer . Esses inimigos são identificados nos rótulos, muitas vezes em letras miúdas.

Se você não sabe o que é aquele ingrediente, evite. Preferir ingredientes naturais é sempre a melhor decisão.

Com esse hábito, você vai perceber que nem todos os produtos são ruins, alguns conseguem produzir alimentos gostosos sem apelar para substâncias químicas.

Imagem

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Exemplo abaixo é da margarina, vejam a quantidade de substância químicas!

Imagem

Óleo de Linhaça para o Coração

]

Ao analisar o consumo desse alimento por indivíduos entre 60 e 85 anos, pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro observaram um benefício: ele foi capaz de controlar as taxas da gordura no sangue. Os 110 voluntários do estudo foram divididos em dois grupos: o primeiro time ingeriu uma cápsula de óleo por dia e o segundo recebeu um remédio de mentira. Ambos foram orientados a melhorar a alimentação. Em 12 semanas, observamos que, na parcela que consumiu as cápsulas, os níveis de colesterol LDL e triglicérides diminuíram. E o colesterol HDL, que reduz o risco de infarto e derrame, aumentou, algo mais difícil em idosos.

…e para o cérebro também!

Outro benefício observada foi o ganho cognitivo, ou seja, melhora em funções cerebrais como memória e raciocínio. Uma hipótese é que o ácido alfalinolênico, presente em grande quantidade na linhaça, aprimore as informações transmitidas entre um neurônio e outro.

Fonte: http://www.saude.abril.com.br