A panela usada na preparação dos alimentos pode estar prejudicando sua saúde


As panelas, que passam despercebidas pela grande maioria das pessoas, precisam ser mais valorizadas, porque elas liberam substâncias muitas vezes tóxicas que são incorporadas aos alimentos durante o preparo das refeições. Mesmo que as panelas liberem apenas pequenas quantidades de substâncias tóxicas, precisamos levar em conta que isso ocorre em todas as refeições, durante anos seguidos, o que faz com que quantidades consideráveis, ao longo dos anos, se transformem em grandes quantidades acumuladas no organismo.
As panelas de alumínio liberam quantidades variáveis de alumínio nos alimentos. Diversos estudos têm demonstrado que a intoxicação por alumínio é um fator importante no mal de Alzheimer e de Parkinson, nas Doenças Ósseas e na Hiperatividade Infantil. Fatores como acidez ou alcalinidade dos alimentos, a qualidade da liga de alumínio utilizada pela indústria, o tempo de uso do utensílio, o tempo da duração do cozimento dos alimentos, a presença de sal ou açúcar, entre outros contribuem para a migração do alumínio das panelas para os alimentos.
Existe também um aumento da quantidade de alumínio nas bebidas enlatadas e estocadas em recipientes de alumínio, como produtos enlatados, refrigerantes, cervejas. As panelas de inox podem liberar pequenas quantidades de ferro e cromo e níquel, que são seus constituintes. O níquel pode causar a exacerbação de alergias, dermatites de contato e asma e diversas outras alergias.
Panelas de ferro – o excesso de ferro é menos divulgado é extremamente nocivo a saúde. Diversos estudos associam o excesso de ferro ao aumento da freqüência de infarto do miocárdio e derrames. Além disso, é estimado que 1 em cada 200 pessoas apresente uma doença genética chamada Hemocromatose, que ocorre devido ao acúmulo de taxas altas de ferro no organismo, causando problemas sérios no fígado, no coração e no sistema endócrino como diabetes, impotência e hipotireoidismo.
Quanto mais ácido o alimento maior a liberação de ferro. O tomate, por exemplo, libera uma grande quantidade de ferro da panela durante o cozimento.
As panelas de vidro são as únicas que não transferem qualquer resíduo para a comida, sendo ideais do ponto de vista da saúde.

Benefícios do Ovo

Pesquisadores descobriram que ingerir o alimento pela manhã faz toda a diferença no emagrecimento. O ovo espanta a fome por ser fonte de proteína de alto valor biológico e rico em aminoácidos essenciais, deixa a digestão mais lenta aumentando a sensação de saciedade. A gema é rica em vários nutrientes, como vitaminas A, do complexo B, E, K, D, zinco, ferro e selênio. Todas essas substâncias antioxidantes ajudam a equilibrar o organismo e combater o envelhecimento precoce das células. A gema ainda contém gorduras do bem – a monoinsaturada e ômega 3 que ajuda a controlar o nível de açúcar no sangue, evitando picos de insulina, que disparam o apetite e favorecem a deposição de gorduras. A clara possui leucina, um aminoácido que ajuda a manter a massa magra. Também é uma excelente fonte de triptofano, aminoácido precursor da serotonina,
substância associada à sensação de bem-estar. Indivíduos saudáveis devem consumi-los de três a quatro vezes por semana. É necessário ficar de olho no modo de preparo: cozido ou mexido, nunca frito. E dar preferência ao ovo pela manhã. Isso faz com que você fique saciado e ingira menos calorias ao longo do dia.