>Gorduras trans aumentam risco de ter endometriose

>
O tipo de gordura que as mulheres ingerem pode ser um fator de risco para o desenvolvimento de endometriose (problema que acontece quando o endométrio, o tecido que reveste o útero, passa a crescer em outras áreas do corpo). Estima-se que de 10% a 15% da população feminina em idade fértil tenha a doença.
A pesquisa, feita na Universidade Harvard, nos Estados Unidos, e publicada no periódico “Human Reproduction”, é a primeira a mostrar uma relação clara entre hábitos alimentares e risco de endometriose e a maior já feita sobre o assunto, de acordo com os especialistas ouvidos pela Folha.
Depois de avaliar a dieta de mais de 70 mil mulheres norte-americanas nos últimos 12 anos, os pesquisadores concluíram que aquelas que ingeriram maiores quantidades de alimentos ricos em ômega-3 tinham 22% menos chance de desenvolver endometriose, enquanto que as mulheres com dietas ricas em gordura trans tinham 48% mais risco.
A explicação, segundo Maurício Abrão, presidente da Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia e responsável pelo setor de endometriose do Hospital das Clínicas da USP, é que o risco de ter a doença cresce devido a uma resposta inflamatória do organismo à gordura trans.
“Já havia outros estudos que suspeitavam da relação entre alimentação e endometriose, mas nenhum com uma amostragem tão grande”, afirma o ginecologista.

Hábitos saudáveis
Carlos Alberto Petta, professor de ginecologia da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Endometriose, afirma que a pesquisa se soma a outros estudos que já haviam relacionado a doença ao estresse, à ansiedade e à depressão. “É um trabalho muito importante, porque pouco se sabe a respeito da prevenção da endometriose. Agora, sabemos que, como acontece no caso de várias outras doenças, a endometriose pode ser prevenida ou diminuída se a pessoa adotar hábitos de vida saudáveis”, afirma Petta.
O ginecologista diz que dietas saudáveis devem ser orientadas não apenas para pacientes com endometriose mas também a mulheres com parentes de primeiro grau que tenham a doença. Irmãs, filhas e primas das portadoras têm dez vezes mais risco de ter o problema, segundo Petta, e esse tipo de prevenção pode ajudar a não desenvolvê-lo.
De acordo com os especialistas, é comum que somente as mulheres com muitos sintomas de endometriose acabem sendo diagnosticadas. “Muitas outras ainda têm a doença, mas suportam os sintomas e não buscam ajuda. O ideal é que procurem orientação médica e não achem que é normal sofrer de cólicas fortes e de infertilidade”, diz Petta.

Folha de São Paulo, 05-04-2010

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s